Compartilhar share

Comitê Regional de Crises debate aumento de casos de Covid-19 na região

Publicado em 22/10/2020 às 17:56 - Atualizado em 22/10/2020 às 17:57


Créditos: Foto: Ilustrativa Baixar Imagem

O Comitê de Crises - formado por integrantes dos municípios da Ameosc e parte dos municípios da Amerios - se reuniram em videoconferência na tarde desta quinta-feira (22), coordenados pela secretária de Saúde de Palma Sola, Débora Prevedello. Participaram também da reunião Ana Maria Cristina e Edson Medeiros, ambos do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Santa Catarina (Cosems).

Nesta semana, a atualização da avaliação epidemiológica mostra seis regiões de Santa Catarina no nível Grave de risco para Covid-19, entre elas o Extremo Oeste. Os representantes do Cosems falaram sobre a formatação e os critérios que compõem o Mapa de Risco potencial de Covid-19 do Estado, argumentando os motivos ou causas para formação do mapa. Edson Medeiros destacou a importância de manter permanente trabalho de conscientização da população para com os cuidados preventivos para evitar o contágio. Segundo ele, após mais de sete meses de pandemia começou a haver um descuido da população com as medidas de prevenção.

Na sequência, a coordenadora do Colegiado Regional de Saúde, Débora Prevedello, coordenou os debates e reflexões dos presentes. O presidente da Ameosc e prefeito de São José do Cedro, Plínio de Castro, apresentou os dados do município, onde depois de muitos meses de estabilização e com número reduzido de casos, nos últimos dias houve um considerável aumento. O prefeito argumentou que, frente à situação, precisou adotar medidas restritivas no município e que os demais prefeitos devem se manter vigilantes para evitar o aumento de casos.

Ainda, o presidente da Ameosc levantou a preocupação com a habilitação dos leitos que nos hospitais de Xanxerê e de Chapecó, onde não houve renovação. Conforme ele, a situação preocupa a região, pois, não havendo vagas nas regiões de ambos os municípios localizado, os pacientes poderão vir ocupar as vagas no Hospital Regional Terezinha Gaio Basso. A preocupação foi reforçada pela direção do hospital.